post-6-c

As nossas escolhas determinam a nossa realidade

O nosso Mundo Interior projeta a nossa realidade em todas as dimensões, ou pelo menos aquilo que convencionamos de chamar realidade.
 
Isto significa que o que vai dentro de nós em cada momento, ou seja: o que pensamos, o que sentimos e como agimos, determina como é que as diversas situações em que estamos envolvidos irão decorrer. Na prática não é muito difícil entender que tudo o que nos rodeia interfere conosco, conforme for a nossa ação, e até mesmo esta, depende do que pensamos e sentimos em cada momento.
 
Se observarmos com mais atenção como acontecem as interações humanas, percebemos que reagimos de acordo com essa mesma energia que cada pessoa emana, mesmo antes de ela comunicar ou interagir connosco.
 
Como cada um de nós está sempre a projetar o seu interior em cada momento da sua vida, ou seja, inusitadamente emana a vibração correspondente aos pensamentos e emoções dominantes, tanto conscientes como inconscientes, isto para além da própria energia, ainda mais subtil que está presente em cada consciência.
 
Assim sendo, mesmo que não entenda nada de espiritualidade, com facilidade desta forma, entende que a realidade de cada um depende grandemente de como cada pessoa está e reage em cada momento.
 
O que talvez ainda não saiba é que, não é “grandemente” mas antes “exclusivamente”, pois as nossas vidas desenrolam-se de acordo com uma sequência de momentos todos eles determinados pelas nossas escolhas que são consequência dos nossos pensamentos, crenças, mitos, estados emocionais, etc. Para que se entenda, precisamos de excluir o fator acaso, que se não existe de fato, na medida em que tudo o que acontece à nossa volta é determinado por um conjunto de Leis físicas, espirituais e cósmicas, existindo simplesmente coincidências, que como a própria designação indica, são incidências síncronas.
 
Perante tal revelação tudo o que nos acontece é somente da nossa responsabilidade, não podemos por isso honestamente culpabilizar ninguém e todos os processos mentais de sofrimento em que nos julgamos vítimas de alguma coisa externa, na prática não é mais do que a consequência de todas as nossas escolhas que em momentos anteriores fizemos. Assim, sempre que representar o papel de vítima de qualquer circunstância é meramente para se enganar a si mesmo.
 
Agora poderá perguntar-se como é que um criança de tenra idade escolhe de sua responsabilidade ter cancro por exemplo. Isto à partida pode parecer-lhe completamente absurdo, e seria-o seguramente se cada vida tivesse um princípio e fim único, mas não é o caso. Há que contar que somos seres perpétuos na nossa essência e ao mesmo tempo filhos de Deus, e que escolhemos encarnar numa vida com uma duração bem curta, para experienciar e aprender em cada uma delas a materialização do AMOR, através de diversas vivências e formas de expressão.
 
É nessa perpetuidade da nossa alma e na sequência de diversas encarnações que encontramos a resposta a todas estas questões que ainda julgamos absurdas. Atenção que durante as nossas vidas por vezes iremos ter de saldar ou cobrar dívidas cármicas que justificam todos os nossos relacionamentos ao longo da vida.
 
Cada um de nós estabelece um propósito encarnacional antes de encarnar para uma nova vida e é aí que se justifica muitas vezes as tais coincidências que ocorrem em nossas vidas, por vezes muito dolorosas.
 
Lembrem-se que mesmo na dor é possível viver em AMOR e só este o poderá transcender.
 
O AMOR é a energia mais poderosa que existe no Universo e com ELA tudo é possível, até mesmo os Milagres.
 
Vivam sempre em AMOR e sintam-se sempre profundamente AMADOS
 
Fiquem bem…
 
A Mónada
 

Este post foi lido 1471 vezes!

0 respostas

Deixe um comentário

Quer contribuir com seus comentários?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>