casal-brigando

Espíritos obsessores e os relacionamentos amorosos

Você sabia que pode haver obsessão em qualquer relacionamento amoroso? É algo que parece distante, mas muito comum. Quando se fala em obsessor e obsessão, a primeira imagem que vem à mente pode ser a do filme O Exorcista, não é? Para desmistificar e entender melhor como tudo acontece, vamos apresentar os conceitos principais desse assunto:

Obsessor é um espírito, desencarnado ou não, que exerce influência negativa sobre uma ou mais pessoas, fazendo com que a energia delas se desequilibre, diminuindo-a e tornando-a instável física, emocional, mental e/ou espiritualmente. Se o espírito pode ser desencarnado ou não, significa que qualquer pessoa com quem convivemos pode ser um obsessor, até mesmo você pode ser obsessor de outras pessoas! A obsessão é esse processo que envolve o obsessor e o obsediado, que é quem se sente reprimido, sugado, além de outros sintomas da obsessão que veremos mais adiante.

Não só o relacionamento amoroso, mas qualquer relacionamento pode  sofrer os efeitos de uma obsessão. Não há como viver sozinho – nem as pessoas que optam por viver retirados da sociedade vivem tão sozinhas assim – e nós nos aproximamos de pessoas pelo grau de afinidade que temos com elas. Nós atraímos pessoas e seres, entidades, espíritos pela nossa necessidade de aprendizado e pelo karma que geramos anteriormente.

Afinidade e reforma íntima

Em um relacionamento, as pessoas se atraem porque precisam se harmonizar mutuamente, e o(a) parceiro(a), namorado(a), esposo(a) torna-se um gatilho para as suas emoções negativas. Quando essas emoções são afloradas, há a oportunidade de agir diferente – curando a emoção – ou agir como sempre.

Muitas vezes, a falta de compreensão ou até mesmo a ignorância em relação a isso conduz o casal a crises intensas. Quando as emoções negativas estão afloradas e as pessoas não têm consciência de que precisam se harmonizar, ocorre um conflito que gera cobranças e desgaste da energia. Quando cobramos que o outro seja e se comporte como nós queremos, a liberdade e a leveza do relacionamento se perdem, a vibração cai, e assim a relação se transforma em obsessão, em que a pessoa que cobra torna-se obsessor do parceiro que é cobrado e repreendido.

Para entender melhor, imagine um casal vive junto há muitos anos. Ele trabalha o dia inteiro e chega em casa cansado ao fim do dia. A única coisa que ele quer é ficar em casa, sentado no sofá. Ela trabalha em casa, cuida de tudo e passa o tempo na internet, esperando o marido chegar. Como não tem muitos amigos, ela espera que seu marido a leve para passear ou que a acompanhe. Ele, porém, não quer sair de casa, pois já passou o dia todo fora.

Então aí começam as brigas e as emoções se afloram: ela acha que ele deveria lhe dar mais atenção, levá-la para passear, pois ela só fica em casa e muito sozinha. Ela se sente preterida, abandonada pelo marido que só pensa em trabalhar. Ele acha que ela deveria se acalmar e se contentar com a situação. Depois de tanto tempo discutindo sem chegar a nenhum acordo, sem nenhum progresso, o casal se afasta emocionalmente, já não conversam mais sobre outros assuntos, e já não fazem tantas coisas juntos. Na maioria das vezes, ambos se cobram e se culpam mutuamente por seu descontentamento.

A responsabilidade pela sua felicidade é toda sua

O que seria mais saudável, nesse caso: ambos deveriam olhar para suas carências e falhas para que possam curá-las e não projetá-las no outro, ou seja, sem transferir a responsabilidade e culpar o parceiro. Isso ainda não é tão simples, pois a maioria das pessoas tem a imagem de parceiro perfeito na cabeça, do príncipe ou da princesa encantada.

Essa é uma imagem totalmente equivocada. Ao acreditar nela, entende-se que precisamos de alguém para acabar com a nossa solidão, a carência, a baixa autoestima, o medo, a angústia e assim por diante. Acredita-se que o príncipe ou a princesa irá mudar a realidade atual. Isso é uma ilusão! Agindo dessa forma, acontece a transferência da responsabilidade, e a responsabilidade pela sua felicidade é toda sua!

É por essa brecha que as obsessões emocionais entram na vida do casal, porque quando o(a) parceiro(a) não corresponde à necessidade e às expectativas da pessoa, ela naturalmente começará com as cobranças, para que ele(a) se comporte de forma que lhe agrade. Foi isso o que vimos no exemplo acima; esse não é o amor incondicional, e sim amor condicional, também chamado de egoísmo. A situação mostra com clareza que todos nós ainda somos imaturos quanto às nossas emoções e, consequentemente, quanto à nossa consciência espiritual.

Os espíritos obsessores no relacionamento

Quando o campo emocional do casal manifesta esse modelo ainda imaturo, demonstrado pelas carências e gestos de egoísmo, existe uma abertura energética para influências espirituais nocivas, vindas de energias e de seres, entidades do plano espiritual. As dimensões física, emocional e mental estão ligadas à espiritual, por isso uma influência de qualquer natureza no corpo espiritual repercute nos outros corpos, afetando a mente e as emoções de forma mais intensa.

As obsessões espirituais atrapalham muito a vida do casal, porque a naturalidade e a leveza entre os parceiros são abaladas sempre que forças externas estão agindo negativamente. A obsessão pode acometer apenas uma das pessoas algumas vezes. Em outras, a obsessão pode ocorrer nos dois, separadamente ou ao mesmo tempo. Os tipos e as formas de entidades e seres agirem são também muito variados, mas a causa da obsessão é sempre a mesma: negligência espiritual.

Como negligenciar a vida espiritual? Basta deixar de buscar pela reforma íntima, deixar de estudar a respeito da evolução espiritual, de meditar, de orar, ter hábitos negativos, vícios e deixar de lado os valores espirituais.

Na verdade, é tudo uma questão de sintonia. Não podemos culpar os obsessores. Nós atraímos para o nosso campo seres que estão na mesma vibração que a nossa, e eles só agem porque “baixamos” a guarda, ou seja, quando o casal não se cuida, deixando de fazer todas essas coisas mencionadas acima.

Os obsessores, muitas vezes, exploram as falhas e as quedas de atitude; numa discussão boba, eles podem favorecer a briga, o caos, em que o casal se afunda e se desgasta emocionalmente. Mas o mais importante é descobrir na nossa atitude onde foi que permitimos que uma obsessão afetasse o nosso relacionamento. A causa pode ser a falta de amor, a carência, a transferência da nossa responsabilidade para o ser amado, entre outros.

Sintomas da obsessão no relacionamento

Existem sintomas que podem ser identificados, mas há uma grande armadilha de achar que qualquer crise do casal seja relacionada a uma influência espiritual negativa. Dessa forma, é preciso muito cuidado para analisar a situação e não usar a obsessão espiritual como muleta para os problemas conjugais e afetivos.

Os sinais mais simples de identificar são:

> Irritação acima do “aceitável”;

> Predisposição para brigar maior do que a disposição de manter a harmonia;

> Cobrança exagerada por um determinado comportamento, principalmente quando a atitude de um ou de ambos parece muito diferente, do ponto de vista negativo.

Há casos em que a pessoa se comporta de forma bipolar: em um dia, fica descontrolada, e no outro não consegue dizer por que se comportou daquele jeito, pois ela não se reconhece.

O acesso e o consumo de material pornográfico é um fator que influencia muito a vibração do casal. É algo que está aberto para todos os que quiserem ver, seja nas revistas, seja na TV, seja na internet. Quando uma pessoa se sintoniza com esses materiais, ela está abrindo a sua guarda espiritual para atrair espíritos obsessores que atuam nessas frequências mais baixas. Não se trata de moralismo, mas revistas, filmes, fotos, e vídeos da internet ligados à pornografia são muito nocivos, pois facilitam muito a ação de espíritos densos especializados nessa ação perniciosa.

O processo de obsessão espiritual no relacionamento amoroso

Acima, falamos sobre as obsessões entre pessoas encarnadas, podendo ser nós mesmos ou nossos parceiros. Mas também há a obsessão por seres desencarnados. Às vezes, espíritos sofredores e perdidos se aproximam por causa da afinidade energética e pela sintonia do casal que se encontra em crise, afundado em tristeza, frustração e angústia. Mas também há as obsessões “profissionais”, cujas intenções não são tão boas quanto as dos espíritos desnorteados e que muitas vezes nem sequer sabem que já desencarnaram.

As artimanhas dos espíritos das sombras não têm limites, pois as investidas realizadas por espíritos especializados, em geral, é patrocinada por grupos sombrios de grande escala e tecnologia – sim, no plano espiritual também existem tecnologias muito avançadas. Esses obsessores atuam principalmente para evidenciar as falhas que cada pessoa tem do ponto de vista do seu parceiro, tornando-as mais constantes e visíveis, insuportáveis para o outro, até que este se sinta incomodado e, assim, os conflitos surjam.

Depois disso, de forma tranquila e natural, os vampiros energéticos induzem hipnoticamente a pessoa ao conflito, inserindo na tela mental dela ideias e pensamentos que parecem ser da própria pessoa. Essas informações levam o casal a mais brigas, conflitos, cobranças e desamor, e é induzido por suas próprias fraquezas emocionais a tornar o relacionamento um caos.

Essa ação é muito grave e difícil de ser identificada porque quase sempre demonstra ideias afins com o que a pessoa obsidiada tem, pois essas ideias têm perfeita ressonância com o seu universo de pensamentos e sentimentos.

Como escapar e se manter protegido dos espíritos obsessores?

Não existe um remédio apenas para que o casal se proteja das obsessões no relacionamento. É necessário combinar uma série comportamentos individuais e em dupla para que assim alcancem o patamar de harmonia. Nesse caso, qualquer leitura edificante e inspiradora, que tenha uma lição, uma moral, um exemplo positivo, é válido. De forma sucinta, é preciso que o casal busque, estude, medite e ore constantemente. Ambos precisam cultivar autoestima, fé, tranquilidade e confiança internamente para que as cobranças e as acusações fiquem do lado de fora de sua relação.

Além disso, é muito recomendado criar hábitos saudáveis de alimentação, sem álcool, drogas, buscando uma nutrição mais saudável e regrada. Como somos seres compostos por muitos corpos, só seremos saudáveis e felizes se aprendermos a cuidar de todos eles com equilíbrio. Como disse Jesus a seus discípulos, é preciso “orar e vigiar” sempre, em qualquer situação, pois não se pode perder o foco no que realmente importa: o amor em todos os atos.

Para o casal viver em harmonia…

É preciso que cada um busque individualmente sua realização, harmonize-se com suas questões pessoais, alimente sua autoestima. Esse é um caminho a ser trilhado sozinho para depois somar alegria e amor na relação. Como já foi dito, o maior e mais comum erro é transferir para o outro a responsabilidade de alcançar harmonia, autorrealização, plenitude e alegria. Quando isso acontece, fica praticamente impossível permitir que o amor cresça. Portanto, cure-se primeiro, pois assim você também irá curar o seu relacionamento.

Outra dica que vale muito e que cura é a admiração. Experimente substituir a crítica pelo elogio ao seu parceiro. Você pode fazer isso pessoalmente, dizendo para ele, mas também pode fazer em pensamento. Da próxima vez que surgir o impulso de criticar a outra pessoa, faça um esforço de se concentrar nas qualidades que ela tem e ignore seus defeitos. No começo não é fácil, mas, com o tempo, os resultados aparecem nítidos e profundos, e podem fazer um milagre na vida de qualquer casal.

Nós poderíamos ficar mais algum tempo escrevendo sobre o assunto, pois há muitas coisas a falar sobre relacionamentos amorosos e obsessão espiritual, mas esperamos que já tenhamos ajudado com a parte mais essencial do tema. Você gostou deste artigo? Deixe aqui nos comentários a sua opinião, e suas dúvidas também a respeito desse assunto.

Muita Luz para você e até a próxima!

Redação Luz da Serra

Fonte: http://ochamadodaluz.com.br/

Este post foi lido 64177 vezes!

23 respostas
    • tuilla
      tuilla says:

      É sempre bom saber das imundices que se escondem numa relação, e eu estou disposta a lutar com todas forças pela minha vida sentimental, morei com um homem quase 15 anos e toda vez que estava para casar, me acontecia algo a uma vez esqueci ele no cartório. Mas nunca desisti de ser feliz. Agora todos que namoro me pegam como prostituta e pela luz divina de Deus, nunca fui. Agora sei que habita um espirito imundo e vou começar a trabalhar, em cima com toda minha autoridade.

      Responder
      • Jaíra Costa
        Jaíra Costa says:

        Olá Tuilla, você não é a única a passar por isso…esse comportamento chega a ser comum na cabeça de muitos homens.São poucos os homens os que tem uma educação moral para tratar uma mulher com respeito e valorizando a alma.O prazer sexual não pode ser como dos cachorro ou como macacos…Que Deus te console e apague suas lembranças negativas…Estamos em um mundo de provas.Perdoe e se perdoe,liberte-se!!! Bjs <3

        Responder
  1. lanna
    lanna says:

    …Gostei e muito,pois aqui é Mundo e nada mais q uma Escola q tem vários alunos diferentes de idéias e comportamentos,teremos q enfrentar cada um como os sâo,somente assim aprenderemos a Viver com Saúde Espiritual Eelevada e Saúde Física capacitada…Parabéns…gostei e muito…

    Responder
  2. Alba Marchette
    Alba Marchette says:

    Sou Kardecista e entendo a obsessão, vivo essa obsessão não com meu marido, mas com minha mãe que tem 90 anos mas é uma pessoa vampiresca que realmente suga toda minha energia e me leva a atitudes desconcertantes,
    Percebo perfeitamente a influência de obsessores desencarnados, mas na maioria das vezes me deixo contaminar e fico a mercê sem poder me controlar. É muito pior do que se fosse com meu marido, embora as vezes nos contamina também, pois ela consegue nos envolver.
    Gostaria de uma matéria nesse sentido. Pois acredito que são resgates de vidas passadas.
    Desde já agradeço.

    Responder
  3. luciana
    luciana says:

    Vivo num relaciomento de 16 anos . Pois bem não vivo bem, brigamos por qualquer coisa, quando vou conversar e tentar entrar em um acordo ele sempre vira e consegue colocar a culpa toda em mim , ele sempre está certo, já nao aguento mais ele , parece que tem coisas em cima dele , sempre falo que parece um espírito obsessor. reclama, nunca ninguém faz nada certo , ele é o sabe tudo , nada está bom, eu não entendo como pode viver reclamando de tudo. Atentando em todos os sentidos. Eu sempre fui muito calma mas estou no meu limite, parece que ele faz tudo pra tirar minha paz e de todos. obrigada

    Responder
  4. João Marcos Paravisi
    João Marcos Paravisi says:

    Muito bom o texto. Só faltou explicar outro caso: Quando o espírito obsessor é alguém que foi parceiro de um dos dois em outra vida e agora causa estes transtornos por ciúmes, ódio e vingança.

    Responder
  5. iran oliveira
    iran oliveira says:

    Muito boa matéria, sou leitor assíduo dos temas editados por vocês.
    Continuem assim, com a certeza de estar ajudando muitas pessoas a melhorar seus padrões morais.
    Muito obrigado. Iran…

    Responder
  6. Eloisa
    Eloisa says:

    enquanto lia esse arquivo sentia a vasta quantidade de energia dele me preenchendo. estou num momemnto dificil em que começo a sentir conscienciosamente essas trocas energéticas, mas ainda sem saber diferencia-las quanto a sua positividade. o simples processo de troca chega a me incomodar. também tenho sentido muito a dor das outras pessoas. obrigada pelo artigo, tenho tido dificuldade em achar mais sobre o assunto.

    Responder
  7. Eliane Dias
    Eliane Dias says:

    Agradeço os esclarecimentos aqui reportados! Eu e meu marido sentimos isso e muitas vezes ao mesmo tempo sentimos um peso, um mal estar grande…Outras vezes brigamos por nada e por tudo! Mas logo percebemos e sempre oramos, acendo incesos e coloco músicas suaves. Todas as terças feiras vamos a um centro misto (Kardek e Umbada), para tomar passes de cura! Saimos de lá leves e com muito amor em nossos corações!
    Orai e vigiai!
    Obrigada

    Responder
    • Helena Fernandes
      Helena Fernandes says:

      Agradeço e gostei de todos os esclarecimentos aqui prestados.
      Também já tenho conhecimento que tudo aqui mencionado, acontece. Inclusivamente a mim, também, que não me deixa ser feliz nem viver com alguém. Penso que sei de onde parte toda esta obsessão, que me quer sózinha e afasta todas as pessoas, especialmente homens, da m/ vida. Também penso que não o faz por maldade, simplesmente tento ser forte, por vezes só de pensar que tenho de falar com ela, fico c/ dores de cabeça. Neste momento frequento um centro espirita, só estudamos Kardec. Onde se pode em Portugal encontrar um centro misto? talvez me ajudasse um pouco a libertar de tudo isto. Muito embora o espiritismo nos ensine que vivemos num mundo de provas e expiações, conforme fizermos nesta encarnação ou nas anteriores, iremos pagar por tudo isso, nas seguintes. Nós escolheremos o n/ caminho na próxima reencarnação.
      Eu devo ter sido muito má na encarnação anterior. Nesta encarnação, com respeito a marido ou companheiro, não tenho sorte nenhuma.
      Muita luz para todos.

      Responder
  8. Alcindo Ferreira Filho
    Alcindo Ferreira Filho says:

    Muito bom o artigo, e vou falar pelo lado masculino, para dizer que acontece com todos, e não escolhe homens ou mulheres, por isso não vamos generalizar. Nem todos os homens são ruins e nem todas as mulheres também, existem os que sabem amar, é claro que são os que estão em comunhão com o amor, no caso Deus, ou a Fonte, como preferirem. No meu caso foi por decepções na adolescência e juventude, por excesso de críticas e julgamentos, por discriminações tudo sofrido por mulheres. A famosa violência psicológica que vocês tanto mulheres reclamam que sofrem por nós homens, eu sofri por parte de vocês mulheres, quero dizer, algumas. Por isso, a “guerra espiritual” não é contra a carne e sim contra o espírito. Não se trata de que a mulher ou homem “não presta”, e sim que ele está se relacionando com as energias e formas erradas. Interessante chegar a esse site e ver este artigo e os testemunhos, acho que devo ser o primeiro, não sei, homem a admitir isso, mas que esconde suas mazelas e sofrimentos psíquicos dentro de si e os leva para o túmulo, jamais evolui espiritualmente. Por causa de tudo que aconteceu, resolvi não acreditar no amor, disse que é impossível uma mulher amar, no caso a mim que na época era uma pessoa acima do peso e fui muito discriminado por isso. Não soube lidar com a frustração, e deixei que meu coração se tornasse frio. passei a me relacionar com as mulheres da forma como a Tuilla se referiu, como se fossem objetos para meu prazer sexual, pois não tinha mais amor nenhum, não acreditava que alguma mulher poderia me amar. Se aparecesse alguma e dissesse era como ela tivesse mentindo, querendo me enganar, ou querendo se aproveitar do dinheiro que na época podia desfrutar. Foram anos assim, e isso começou a doer, para continuar, você tem que anestesiar sua consciência sempre, eu não conseguia fazer de cara limpa, tinha que beber. Mas aquilo começou a doer em mim, dentro da alma, pq comecei a enxergar o quanto fazia as mulheres sofrerem com aquilo. Enxergava nos olhos delas, era como tivesse machucando a alma. Comecei a dizer não a tudo isso, me arrependi deste comportamento, conheci Deus de uma forma mais intensa e mudou tudo. Já são 15 anos depois desta mudança de personalidade e atitudes, mas ainda não encontrei o amor verdadeiro, mas hoje sinto feliz pq comecei a me amar, a amar a Deus sobre tudo, e principalmente a amar vocês mulheres como devem ser amadas. Só tenho que em meu nome se algum dia magoei e tratei vcs assim, me perdoem, estava inconsciente de mim mesmo. Vcs não merecem serem tratadas como objetos sexuais, como animais, como se referiu a Jaira Costa, são flores perfumadas ainda, rsrsrsr. As vezes quando bate a carência fico pensando, não seria melhor voltar a ter a vida que tinha, pq parece que as mulheres gostam mais disso, de serem tratadas assim. Mas não, é que vcs foram tão mal tratadas durante a vida todas que acabaram inconscientemente condicionadas a isso, são vítimas disso. Algumas preferem continuar assim do que se sentirem sozinhas, por isso permitem, mas no fundo, NENHUMA MULHER GOSTA DE SER MALTRATADA OU VIOLENTADA, gosta sim é de ser AMADA, COMPREENDIDA, VALORIZADA. Obrigado por vocês mulheres não desistirem de nós homens, orem pela nossa mudança.

    Responder

Deixe um comentário

Quer contribuir com seus comentários?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>