post-2-d

Karma não é sofrimento, é aprendizado

A palavra karma tornou-se popular em nosso vocabulário, mas poucos sabem do que estão falando. Alguns acreditam que é uma dívida de sofrimento, outros acreditam ser uma expressão de cunho religioso. Mas, na verdade, essa palavra que vem do sânscrito expressa uma lei mecânica: a lei de causa e efeito. A incompreensão dessa lei ou fenômeno da vida, pode tornar as coisas bem mais difíceis do que realmente são.
 
Tudo tem um por quê: nem uma simples folha cai da árvore por acaso. Se um convidado bateu na sua porta é porque você convidou, ou seja, se uma determinada situação aconteceu na sua vida, é porque você chamou. Cada situação é como um convidado para quem você enviou o convite de uma festa. Às vezes você se esquece disso e o convidado te pega desprevenido. Isso causa desconforto, mas não adianta se revoltar ou fugir; é preciso aceitar porque, se você resiste, cedo ou tarde, o convidado volta a bater na sua porta.
 
Não importa qual a situação (um assalto, uma discussão ou uma traição), você não é uma vítima indefesa – tudo que acontece ao seu redor foi atraído por você. Não reconhecendo isso, você pode desperdiçar a vida culpando o outro.
 
Você está diante de um profundo aprendizado pelo qual todos nós temos que passar: a aceitação. Está tudo certo. Se você acha que tem alguma coisa errada é porque ainda não compreendeu o recado. Muitas vezes, não é preciso compreender intelectualmente, porque certos sofrimentos simplesmente agem como um fogo de purificação karmica, e não é possível compreender dessa forma.
 
Mas, compreenda que o karma não é uma dívida de sofrimento, mas sim uma dívida de aprendizado. O sofrimento acontece quando não é possível absorver o aprendizado que a situação está trazendo. Portanto, esteja onde estiver, aprenda o que tem que ser aprendido. Você somente será convidado a mudar de lugar quando aprender a lição. Quando você aprende, o karma desaparece.
 
Sri Prem Baba

Este post foi lido 5667 vezes!

0 respostas

Deixe um comentário

Quer contribuir com seus comentários?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>