1-liberdade

Nosso propósito maior

Todos os seres humanos têm uma razão de existir… tal como nos relógios não existem peças sobresselentes assim no Universo todos têm o seu papel no equilíbrio e evolução da Consciência Universal. Deus, o “relojoeiro” do Universo, não criou peças sobresselentes.
 
A pergunta que nos devemos fazer em cada momento é: qual é o nosso papel neste planeta, no país e na sociedade? Qual é afinal o nosso propósito?
 
Todos nós ao encarnarmos, escolhemos o que viemos aprender e fazer nesta vida. Este é o propósito da nossa vida e para superarmos as nossas “lições”, viemos dotados de determinados dons ou apetências, a que a psicologia tradicional lhes chama de características intrínsecas inatas.
 
Isto justifica por exemplo que Mozart aos 4 anos já compusesse música, o que não é uma competência normal para uma criança dessa idade. Justifica que cada um de nós sinta interesse ou apetência sobre determinadas áreas de conhecimento, e que mais rapidamente que os demais, desenvolva os seus talentos ao serviço da sociedade onde se integra.
 
Na maioria das pessoas estes dons que se materializam em talento, estão mesclados em função das diversas componentes de aprendizagem que viemos realizar. Por isso, por causa da ilusão do mundo das formas e das necessidades do nosso Ego, alteramos os nossos caminhos o que acaba por provocar imensa desorientação, acabando por acontecer diversas situações adversas tais como: despromoções, despedimentos, doenças súbitas, etc.
 
Se lhe disserem que a doença é uma fatalidade, desengane-se porque não é. Ela é a consequência de bloqueios energéticos continuados, decorrentes de emoções reprimidas e bloqueadas.
 
Quando o ser não se encontra alinhado no seu propósito a sua energia tende a bloquear entrando em estagnação, acabando por atrair para a sua vida todas estas situações adversas.
 
Estas são normalmente precedidas por diversos avisos que teimamos em ignorar, pois estando na nossa zona de conforto somos incapazes de mudar. Quando elas acontecem e temos forma de sair delas, elas acabam por se tornar numa bênção, pois foram elas que nos tiraram da zona de conforto, fazendo com que busquemos de novo o nosso propósito, aprendendo e evoluindo mais rapidamente do que antes.
 
Neste mundo atual são imensas as pessoas desalinhadas e desfocadas do seu propósito, atraídas pelo poder, pelo dinheiro, pelo estatuto social, pelas inúmeras distrações impostas por uma sociedade dominada pelo consumo e pela necessidade de individualismo e de reconhecimento social, a que vulgarmente chamamos de sucesso e fama.
 
Porém, para a nossa alma, isto nada importa, apenas lhe interessa o que for necessário ao nosso desenvolvimento espiritual, que tem de estar de acordo com os desígnios Divinos.
 
No campo subtil do nosso espírito, tudo está e é perfeito em cada momento, mesmo que aos olhos do homem perdido e desorientado pareça ser uma grande adversidade.
 
Alguns agora perguntarão: como é que poderemos encontrar afinal o nosso propósito?
 
A resposta passa por percorrermos o caminho em direção à nossa alma, através do autoconhecimento e meditação.
 
Sabendo que toda a evolução passa pelo aprender o AMOR resta-nos conhecer os atributos da alma que são: a doçura, a elegância e a candura. A alma não conhece nem o espaço nem tempo.
 
Assim, tudo o que nos provoque: o esquecimento do espaço e do tempo, o sentir dos atributos da alma e uma enorme dedicação, inevitavelmente serão tarefas que nos conduzem ao nosso propósito e à plena realização da nossa missão terrena.
 
Percorram por isso o caminho do autoconhecimento sem demora, para poderem reencontrar-se com o vosso propósito Maior.
 
Sintam então a enorme felicidade e as bênçãos que tal vos trará.
Fiquem bem…
 
A Mónada
 

Este post foi lido 539 vezes!

0 respostas

Deixe um comentário

Quer contribuir com seus comentários?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>