post-3-c

O diferente a gente exclui e pronto!

Isso é o que pensam aqueles que reprimem, julgam e destroem ou tentam destruir quem é, pensa e age diferente do “comum”, do “correto”, do “normal”. Mas o que é normal, comum e correto? É você reprimir o que sente? É você agir de acordo com o que outros querem para ser aceito e agradar? É você viver a vida do outro ou viver de acordo com o que o ou os outros querem? É seguir uma tradição de família? Por que é que pensar e agir diferente do que a maioria faz incomoda tanto?
 
Diante de tantas coisas ocorrendo nos últimos tempos, inclusive nas nossas próprias casas, eis aqui um texto que se encaixa perfeitamente para explicar o que há séculos Platão tentou nos esclarecer e que a humanidade não quer enxergar, achando que é maluquice e loucura. O fato é que a maioria está num sono profundo na escuridão da ignorância e desse jeito nunca vai evoluir.
 
Segue o texto:
 
O Mito da Caverna
 
O mito fala sobre prisioneiros (desde o nascimento) que vivem presos em correntes numa caverna e que passam todo tempo olhando para a parede do fundo que é iluminada pela luz gerada por uma fogueira. Nesta parede são projetadas sombras de estátuas representando pessoas, animais, plantas e objetos, mostrando cenas e situações do dia-a-dia. Os prisioneiros ficam dando nomes às imagens (sombras), analisando e julgando as situações.
Vamos imaginar que um dos prisioneiros fosse forçado a sair das correntes para poder explorar o interior da caverna e o mundo externo. Entraria em contato com a realidade e perceberia que passou a vida toda analisando e julgando apenas imagens projetadas por estátuas. Ao sair da caverna e entrar em contato com o mundo real ficaria encantado com os seres de verdade, com a natureza, com os animais e etc. Voltaria para a caverna para passar todo conhecimento adquirido fora da caverna para seus colegas ainda presos. Porém, seria ridicularizado ao contar tudo o que viu e sentiu, pois seus colegas só conseguem acreditar na realidade que enxergam na parede iluminada da caverna. Os prisioneiros vão o chamar de louco, ameaçando-o de morte caso não pare de falar daquelas ideias consideradas absurdas.
 
O que Platão quis dizer com o mito
 
Os seres humanos tem uma visão distorcida da realidade. No mito, os prisioneiros somos nós que enxergamos e acreditamos apenas em imagens criadas pela cultura, conceitos e informações que recebemos durante a vida. A caverna simboliza o mundo, pois nos apresenta imagens que não representam a realidade. Só é possível conhecer a realidade, quando nos libertamos destas influências culturais e sociais, ou seja, quando saímos da caverna.
 
Iara Simoni

Iara Simoni
Terapeuta holística, estudiosa da Lei da Atração, filosofia, espiritualidade e mudança de consciência planetária.
Email:  iara.simoni@yahoo.com.br

Este post foi lido 1697 vezes!

0 respostas

Deixe um comentário

Quer contribuir com seus comentários?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>