Post 7-F

O que te incomoda no outro é problema seu

Existem certas situações que são inevitáveis sentirmos incômodo ou muitas vezes repulsa, como situações de agressões, humilhações ou qualquer tipo de abuso a nós ou a outras pessoas. E em tais situações é essencial se incomodar, pois é através do incômodo que nos protegemos e resolvemos o problema, algumas vezes até distanciando da pessoa agressora. Porém vamos refletir hoje sobre alguns incômodos mais corriqueiros e que podem atrapalhar nossa relação interpessoal.
 
Pare pra pensar naquela característica de uma pessoa que tem te incomodado bastante…Tais características refletem mais sobre você do que você imagina. Temos um mecanismo de defesa emocional que se chama projeção. Assim como um refletor, projetamos em outra pessoa aquilo que incomoda em nós, mas que é mais fácil observar no outro do que em nós mesmos. E o que então aquele aspecto que tanto te incomoda em outra pessoa pode estar dizendo sobre você?
 
Aqui estão algumas das projeções que podemos fazer:
 
1- Te incomoda no outro aquilo que você gostaria de ter em você. Uma das coisas que podem influenciar em nos incomodarmos demais com algumas características alheias, é o desejo inconsciente ou consciente de fazer ou ser do mesmo jeito. Muitas vezes pela repressão ou outro motivo, a pessoa não se permite ser ou reagir de tal forma e se incomoda demasiadamente com quem consegue. Exemplo: Uma pessoa que sempre tentou emagrecer e fazer exercícios e nunca conseguiu permanecer e se incomoda muito com a prima que conta sobre sua rotina de alimentação e perda de peso.
 
2- Te incomoda no outro aquilo que você tem em você e não aceita. A maioria das vezes que nos incomodamos com alguma característica de alguém, esta reflete lados que pra nós são sombrios da nossa personalidade e que não admitimos ter, ou característica que precisamos melhorar ou que já apresentamos no passado e não gostamos de nos lembrar. Exemplo: Uma pessoa que se incomoda muito com a colega de faculdade que é espalhafatosa e adora chamar atenção, justamente por que ela mesmo tem dentro de si, de forma diferente ou mais camuflada, a necessidade frequente do olhar de aprovação das outras pessoas.
 
3- Te incomoda no outro características doloridas da sua história. Podemos ser resistentes a conviver com pessoas que nos lembrem através das suas características, pessoas ou situações que vemos como ruins ou desagradáveis na nossa história de vida. Por exemplo: Uma pessoa que foi criada por pais super protetores pode se incomodar demasiadamente com pessoas mais invasivas.
 
4- Te incomoda no outro o que sai do seu script de “normalidade”. Podemos nos incomodar intensamente com pessoas que vivem ou pensam de formas diferentes, justamente por que aquela pessoa te tira da sua “zona de conforto de conceitos pré estabelecidos”, ou daquilo que você esteve sempre acostumado a viver e ter como padrão ou normal. Exemplo: Uma pessoa que se incomoda demasiadamente com pessoas que usam piercing por não ter convivido com isso com frequência e ter criado um pré conceito pejorativo dessas pessoas.
 
5- O outro te incomoda quando você não respeita seus limites. Podemos nos incomodar com pessoas que mostram pra nós mesmos que não estamos nos respeitando. Por exemplo: Uma pessoa que se incomoda demasiadamente com colegas que as sobrecarregam, mas na verdade o incômodo é um sinalizador de que ela mesma precisa se respeitar e aprender a dizer não.
 
As pessoas com quem convivemos são grandes mestres do nosso auto conhecimento. Ao invés de tentar modificar as características das pessoas ou se afastar delas, tente inicialmente fazer uma auto reflexão e mudar suas perspectivas, e então o relacionamento com o outro poderá ser de compaixão, aprendizado e crescimento com as diferenças. Se conheça.Faça as pazes consigo e a essa paz vai refletir nos outros. Faça terapia.
 
 
Por Mariela Valverde
 
Psicóloga formada pela Anhanguera Educacional, com formação em EMDR pela Associação Brasileira de EMDR; Especialização em Transtornos Alimentares pelo Instituto de Psiquiatria do HCFM-USP e especialização em Neuropsicologia pela Faculdade Arthur Thomas.
CRP: 09/7777

Este post foi lido 9949 vezes!

3 respostas

Deixe um comentário

Quer contribuir com seus comentários?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>