budabuda

Viver para os problemas e sofrimentos é a maior prisão

Eu sou Buda, Sidarta Gautama, trabalho lado a lado com Jesus, Maria e Maria Madalena.
 
O que nós temos em comum, é o amor em passar o nosso conhecimento.
 
Não sou mais aquele cheio de dúvidas que procurou por grande parte de sua vida as respostas. Graças a iluminação e por consequência a ampliação dos meus sentidos, eu comecei a ser uma pessoa diferente.
 
Eu comecei a ser Buda, que nada mais é do que aquele que se reencontrou.
 
A tradução ao pé da letra seria, O Iluminado, mas para mim hoje, significa aquele que se reencontrou.
 
Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o Buda não é um ser incomum ou especial, ele é um ser igual a todos os outros, a diferença é apenas esse Reencontro.
 
Não foram as dúvidas que me levaram a ser o Buda, o que me levou a esse estado foi a compreensão que não existe algo que esteja fora do lugar ou o que esteja incompleto.
 
Todas as formas pensamentos criadas são perfeitas e únicas, todas elas estão conectadas, é algo ainda mais profundo.
 
A dúvida que me corroía por dentro era a origem do sofrimento. Essa dúvida era tão grande que me levava a um estado de não aceitação do sofrimento, isso me trouxe momentos de muita dor na minha jornada. Na verdade aquele estado de não aceitação me levou ao que eu chamo de abandono, eu abandonei a dúvida e até mesmo o medo que eu tinha de sofrer.
 
Era um fardo muito pesado, a minha dor e o meu cansaço era tanto, que quando eu disse para mim “chega! isso não está me levando para longe do sofrimento, ao contrário, isso está me trazendo o sofrimento todos os dias”, todo o meu ser começou a compreender que o sofrimento é trazido para a nossa existência por nós mesmos, como uma sacola cheia de coisas que carregamos para todos os lados sem perceber que não precisamos mais dela.
 
Ao querer saber, entender o sofrimento, eu estava entrando na sintonia dele. Ao abandonar a minha busca eu aceitei a sua existência e comecei a ver que a beleza está em todo lugar e que o sofrimento é um pedaço da história que cada um vive.
 
O abandono, no meu caso, foi um ato de desespero, mas não precisava ser assim, ele podia ser um ato de desejo por liberdade.
 
Viver para os problemas e sofrimentos é a maior prisão que você pode estar.
 
A liberdade é o abandono, deixar tudo isso de lado e viver na certeza que basta a alegria para se construir uma vida de amor e de Luz.
 
Caros irmãos, abandonem as dúvidas, medos e angústias. pode em muitos casos parecer insano, mas na verdade é somente quando você entra nessa estrada de abandono, que realmente se começa a viver.
 
Eu sou um com vocês, Luz a todos.
 
Eu sou Sidarta Gautama
 
Canalizado por Luciana Attorresi

Este post foi lido 949 vezes!

0 respostas

Deixe um comentário

Quer contribuir com seus comentários?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>