Blog_Depyl_Action_Aprenda_A_Cultivar_A_Sua_Autoestima

A base espiritual da auto estima

Aprendi, mesmo quando minha vida tem sido mais dolorosa, que o eu que pode ser ferido não é o eu real. A mulher em mim, a profissional, a escritora, a professora – o que todas elas significam? Elas não são tijolos em uma prisão espiritual, tentando limitar minha vida, quando, na realidade, a vida não pode ser limitada? Que diferença faz se alguém me trai, quando meu ser real, meu espírito, não pode ser traído? Um insulto não é uma oportunidade para que eu olhe para a parte de mim mesma que pode ser insultada e diga, “Ah, você nem mesmo sou eu”? O verdadeiro ser não está além da doença? Então, quem é que fica doente? O verdadeiro ser não é ilimitado? Então, quem é que pode ser aprisionado? O ser real não é eterno? Então, quem é que morre?

Essa é a questão: quem nós somos verdadeiramente? Pois, se pensarmos que somos apenas seres mortais pequenos e separados, então, o mundo que criamos vai refletir essa crença e vamos viver em um mundo de separação, sofrimento e morte. Ainda assim, quando mudamos nosso sentido sobre quem somos – quando percebemos que somos ilimitados, unificados com toda vida – então, a experiência humana como a conhecemos se transforma. Um exercício repetido no livro de exercícios do Um Curso em Milagres afirma o seguinte: “Eu sou como Deus me criou”. De alguma maneira essencial, nós ainda somos quem éramos no momento da nossa criação, e todos os problemas derivam do nosso esquecimento disso.

Se somos como Deus nos criou, então, nenhum erro que jamais tenhamos cometido, os julgamentos de ninguém ou suas opiniões negativas sobre nós podem, de maneira alguma, determinar quem nós somos ou mudar nosso valor. No Instante Santo, podemos nos lembrar de nossa divina essência e escolher expressá-la. E, aquilo que expressarmos será refletido de volta para nós.

O Universo está sempre pronto a nos dar novos começos que reflitam nossa inocência, mas nós não estamos sempre prontos a recebê-los. O sol pode raiar, mas não o veremos se as cortinas estiverem fechadas. Não importando o quanto Deus nos ama, não sentiremos isso se não acreditarmos. Sempre que pensarmos que somos menos do que a criação perfeita de Deus, então as experiências que atrairemos a nós mesmos serão menos do que a criação perfeita de Deus. Conforme acreditarmos, parecerá para nós.

Seu valor é inestimável porque você é parte de Deus. Se você alguma vez se pegar pensando, “Eu sou um perdedor. Quantas vezes eu tentar, quantas vezes vou falhar”, pare com isso imediatamente. Apague a fita gravando uma nova. Diga firmemente para si mesmo, silenciosa ou verbalmente, “Eu sou a pessoa mais legal do mundo porque Deus é só perfeição. Eu reconheço meu valor inestimável, apesar dos meus erros, pelo quais peço perdão. Eu sou uma criação de Deus, e, nesse momento, peço ao Universo que reflita de volta para mim a grandeza de Deus que está dentro de mim”. (Deixe qualquer pessoa que ache graça nisso rir. Que tipo de mundo elas estão criando?).

Todos os filhos de Deus são especiais, e nenhum deles é especial. Você não é melhor do que nenhuma outra pessoa, mas também não é pior do que ninguém. Todos nós temos dons especiais, todos nascemos para brilhar de uma maneira ou de outra, e todos somos inocentes aos olhos de Deus. Olhem para as crianças no jardim-de-infância: todas elas são deslumbrantes e magníficas, e assim somos nós.

Não é arrogante acreditar que você é infinitamente criativo, brilhante e potencialmente perfeito através da graça de Deus. Na verdade, seria arrogante pensar de outra maneira porque o que Deus criou nunca poderia ser menos do que perfeito. Esse fato se aplica a você e a todos nós. Não é arrogante, mas humilde, aceitar as dádivas de Deus e permitir que elas se expressem através de nós.

Ainda assim, para o ego, isso não é humildade, mas arrogância, e você merece uma reprimenda por se atrever a acreditar em si mesmo.

Marianne Williamson
28.03.2015

Fonte: https://universonatural.wordpress.com

Este post foi lido 2728 vezes!

0 respostas

Deixe um comentário

Quer contribuir com seus comentários?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>