a-biblia-afirma-que-julgar-e-licito_814731

Há muita diferença entre julgar e observar

Parece que cada vez mais nos dias de hoje existe um tema quente para muitas pessoas que é o “julgamento”.
 
Choramos se parece que alguém nos está julgando.
 
Principalmente quero explicar brevemente três coisas neste artigo. Primeiro, o que é julgamento; segundo, que energia “impulsiona” o julgamento; e terceiro, como observar sem “julgamento”.
 
Julgamento no contexto que estamos a criar (dualidade) é ensinado como um meio de tentar determinar o que é certo ou errado, bom ou ruim, positivo ou negativo – e então controlar pessoas.
 
A energia Egoica que está no coração do julgamento quer ser capaz de rotular e depois passar a controlar os resultados. Não estou a sugerir que o julgamento não foi necessário para uma experiência de dualidade na 3D, porque penso que era necessário para jogar este “jogo” da forma que precisava ser jogado.
 
De fato era necessário porque o nome do jogo na dualidade está controlando pessoas e energias.
 
No entanto, como os que estamos criando o Novo Paradigma sabemos, estamos construindo, nos movendo e expandindo para uma experiência 5D e, portanto, devemos construir os modelos de experiência energética que apoiarão sua estrutura. Fazemos isso e Somos isso, tornando-nos nisso de todas as formas possíveis, a fim de dar o exemplo vivo de como isso é feito! Nós simplesmente precisamos ser o que desejamos ver. Não há outra maneira.
 
A energia que impulsiona o julgamento é o Ego. O Ego apenas pode sobreviver se conseguir continuar a rotular, julgar, criticar e então utilizar os seus truques para acusar, humilhar e culpar para coagir os outros a aceitarem as suas ideias e a mudarem as suas crenças e métodos/modos de interação.
 
Então, torna-se absolutamente imperativo que Trabalhadores de Luz e Sementes Estelares deem um passo em frente e deem exemplos que o Planeta inteiro possa imitar. Como damos o salto de julgamento para observação?
 
A resposta é simples, mas certamente não é fácil!
 
Por muitos anos li e reli as obras incrivelmente maravilhosas de Eckhart Tolle e Neal Donald Walsch. As suas obras permitiram que eu formasse (e usasse) de uma forma muito precisa certos princípios fundamentais de interação que são necessários enquanto parte do trabalho de colocação da rede energética do Novo Paradigma.
 
Um desses princípios é a “Observação do que é”. De modo a simplesmente observar “o que é” sem julgamento, é extremamente importante ser capaz de entrar no seu coração, entrar na sua Presença EU SOU e trazer à superfície o amor vivo que forma todo o Universo.
 
Invocamos o que já sabemos a um nível intuitivo e gentilmente nos recordamos a nós mesmos que NÃO existe julgamento. A Fonte Criadora não tem julgamento em relação a nós, logo devemos seguir o exemplor e não criar julgamento em relação aos outros.
 
Cada alma é trabalhada ao longo de muitas vidas para criar perfeitamente a experiência precisa de que necessita para se recordar completamente de sua Essência Espiritual e se tornar plenamente consciente. Este processo é guiado a cada passo do caminho e não há espaço nesse processo para julgamentos de dualidade / polaridade, pelo que nos podemos liberar dessa tarefa ingrata :-))
 
Descobri em minha experiência trabalhando comigo mesmo e com clientes que diminuir o tempo de resposta é uma chave importante.
 
Aqui está o que quero dizer: quando sabemos que estamos quase a fazer um julgamento ou crítica a alguém, conscientemente desaceleramos o processo de pensamento e/ou interação (ao invés de reagir) e aguardamos até fazer qualquer declaração. Acabamos de ser acionados, por isso seremos muito cuidadosos.
 
Tomamos o tempo necessário para nos lembrarmos a nós mesmos do “panorama geral”. Recordamos a nós mesmos que não é a nossa função julgar e que não existe julgamento.
 
Lembramos que existe um filme muito maior a ser representado. Esse filme maior tem cada alma colocada em determinado contexto e experienciando o que desejaram ter a fim de se tornarem Seres Auto-Realizados.
 
Como podemos saber a um nível Egoico o que cada alma escolheu experienciar? Não podemos.
 
O Ego e o Corpo Da Dor são as duas energias que “reagem”. O Espírito prefere responder de uma forma que promove grande crescimento espiritual para cada pessoa que possa estar envolvida na interação e assim assegura um resultado e desfecho benéfico com cada interação.
 
O Ego e especificamente a energia do Corpo Da Dor procura provocar reação nos outros e desse modo alimenta com a energia doentia produzida.
 
A energia espiritual procura sempre provocar Auto-Realização profunda em si e nos outros e assim curar da ilusão da dualidade.
 
Se nos tornarmos muito conscientes das diferentes energias a jogarem dentro de nós, podemos então escolher conscientemente o caminho saudável e adequado.
 
A cada momento que passa, quando praticamos, isso se torna mais fácil. Em pouco tempo se torna automático desacelerar o processo dentro de nossas mentes e, lentamente, escolhemos deliberadamente a resposta que sabemos emanar da nossa essência espiritual.
 
A nossa Presença EU SOU tem permissão para se expressar e todos os aspectos da “vida” começam a mudar… Ego e energia de Corpo Da Dor estão neste ponto sendo rapidamente transmutados em puro fogo da percepção consciente e tornando-se menos incômodo a cada dia que passa.
 
O essencial é sempre: fazer todo o processo consciente. Não se permite reagir. Se reagir, não se julgue. Apenas observe e prometa não reagir na próxima vez!
 
Vou dar um exemplo da minha vida. Durante muitos anos tive várias pessoas fazendo perguntas que me acionavam seriamente e à medida que me observava começando a reagir silenciosamente disse: Me dê algum tempo, talvez um dia ou dois, e retornarei ao assunto… não tenho a certeza do que responder.
 
Quando faço isso conscientemente, inevitavelmente responderei a partir do Amor e não de Medo relacionado com Ego ou Corpo Da Dor.
 
Então, do meu ponto de vista, existem três benefícios principais em se ser capaz de observar “o que é” sem julgamento. O primeiro é que irá aumentar enormemente os nossos níveis de percepção consciente e isso, por sua vez, ancora em Gaia as energias que viemos modelar para a Ascensão.
 
Um segundo benefício é a cura. Em termos mais práticos, resposta com energia neutra irá ajudar na criação de “espaço seguro” para as pessoas curarem. A primeira cura acontece em nós quando estamos praticando sermos neutros dentro da nossa mente, transmutando o nosso próprio julgamento interno do Eu.
 
Por sua vez, podemos criar segurança para os outros porque sabem que podem falar conosco sem serem julgados por nada.
 
Esta capacidade de falar sobre diferentes comportamentos sem julgamento leva a todo um novo mundo se abrindo… descobrimos que podemos assinalar determinados comportamentos no Eu e nos outros que agora podem ser discutidos sem medo. O que podemos falar é testemunhado e podemos então curar!
 
Um terceiro benefício que é enorme é o de transmutar energia densa e com base no medo para a Consciência Colectiva. Nos tornamos canais vivos e conscientes para transmutação de energia e aterramento.
 
Nós somos os tripulantes que possibilitam que o grupo central de humanos da Terra faça sua primeira Ascensão. Transmutação de energias baseadas no medo cria um solo fértil para a Ascensão.
 
“Observação do que é” nos leva por um caminho de aceitação ao invés de resistência. Aceitação/Permissão leva a Ascensão.
 
Que alívio saber que simplesmente não é nem nunca foi nossa função julgar!
 
Somos os Mestres e o que tomamos consciência e decidimos mudar mudará de verdade.
 
Dan Clizer
 
Fonte: https://goldenageofgaia.com/ – Margarida Estevam e Marco Iorio Júnior – Tradutora e Editor exclusivos do Trabalhadores da Luz

Este post foi lido 1806 vezes!

0 respostas

Deixe um comentário

Quer contribuir com seus comentários?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>