Post 3-C

Lei do retorno

Talvez haja um grande equívoco com relação à Lei do Retorno.
 
Talvez tenhamos excesso de teorias e poucas práticas, que na verdade, é o que realmente conta, afinal, não adianta sabermos as mais complexas fórmulas matemáticas se na prática elas não se aplicam devidamente.
 
Claro que não sou o voz da razão, peço até desculpas se transpareci isso, mas eu gosto de contar minhas experiências e aquilo que vivencio em meu dia a dia, pois acredito que a verdade não está nos livros, e sim dentro do nosso coração.
 
Antes de falarmos sobre a Lei do Retorno, precisamos desmistificar (ou pelo menos tentar) a questão de bem e mal, certo e errado, e compreender que Deus ou o Universo simplesmente não pensam em nada separadamente, ou seja, tudo sempre é um, e um sempre é tudo. Não há separação, tudo é energia, todo caminho é caminho, por mais nefasto que pareça.
 
Por isso, simplesmente não importa pro Universo se você está em “pecado”, ou se está fazendo tudo certinho. A única coisa que importa é o tipo de vibração que você emite.
 
Ok, vamos deixar mais prático. Imagine que você é uma pessoa muito certinha. Sempre ajuda os outros, sempre tenta ser o melhor com todo mundo, mas se sente excessivamente culpado quando erra com alguém, ou consigo mesmo. Note que muito provavelmente as pessoas não te retornarão como você espera essa bondade e gentileza, pelo contrário, elas irão te condenar sempre que puderem (acredite se quiser, isso já aconteceu comigo, e eu já li diversos relatos parecidos com isso de pessoas que vêm me procurar).
 
Agora, vamos pro outro oposto. Imagine uma pessoa do seu trabalho que sempre faz de tudo pra puxar o tapete de alguém, que sempre fala mal dos outros pelas costas, mas é sempre a queridinha dos donos, é a promovida, e nunca nada de mal acontece com ela dentro da empresa. Você provavelmente já viu isso…
 
Entendeu o por quê? Em ambos os casos, as pessoas emitem vibrações, e apesar de uma estar sendo mais “cristã” que outra, nada de ruim acontece com a “menos cristã”, afinal, o universo ou Deus (chame como quiser) não se interessam nem um pouco com suas atitudes e sim com a vibração que elas estão emitindo (mesmo que elas tenham sido causadas por ações)!
 
Então, mesmo que você tenha feito algo muito errado pra você, e tenha sentido muita culpa por isso, se conseguir se perdoar, ou seja, soltar aquela energia negativa que ficou impregnada em seu peito, não haverá motivo algum pro Karma vir pegar você à noite, pelo contrário! Por quê ele viria se você não está mais manifestando essa vibração de culpa???
 
Eu demorei um pouco pra entender isso, mas quando entendi, e comecei a reparar mais, principalmente em minhas atitudes (aquelas que estavam me trazendo retornos negativos), mudei, minha vida mudou. Da mesma forma que entendi que manter uma vibração positiva, ativava positivamente a Lei do Retorno, e sempre que me conecto verdadeiramente com isso só atraio coisas boas pra minha vida.
 
Hoje pra mim é assim que a Lei do Retorno funciona. Não acho que ela pune ninguém por nada. Quem pune é o homem. Quem inventou essa distinção entre bem e o mal foi o homem, não Deus. Deus criou tudo, pra que tudo vivesse com tudo, como se fosse um.
 
Felipe Betim

felipe-betimFelipe Betim
É Médium, aquariano e um curioso sem limites que tem a certeza de que a vida é muito mais do que o que podemos ver com os dois olhos e colaborador do Movimento PENSO POSITIVO.
E-mail: sinonimodeoutono@outlook.com

Este post foi lido 6219 vezes!

1 responder

Deixe um comentário

Quer contribuir com seus comentários?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>