maxresdefault

Mestres e gurus

Essa coisa de guru, de mestre, de ser mais elevado… isto é uma relatividade! Tente entender! Todos nós somos ligados a uma Fonte Suprema. Viemos d’Ela. Somos partes integrantes d’Ela.
 
Quanto mais perto você estiver em consciência dessa Fonte Suprema, mais você pode relativizar esses títulos de mestrado, de guruizado, para a sua concepção de ser. O guru ou o mestre… nunca sentem que são algo a mais, que são superiores, que estão ensinando algo… Pelo contrário, eles se tornam cada vez mais humildes na medida em que se aproximam desta Fonte Suprema que é a Real Consciência de cada um de nós. Eles, os mestres verdadeiros, se rendem de tal maneira que se tornam totalmente insignificantes. Esse é o puro sentimento em seus corações. Descartam todos os méritos… que só pertencem ao Único que lhes induz durante esta passagem no mundo.
 
Toda ação, sentimento e pensamento de um ser iluminado… essa luz, inteligência e consciência… que emanam dele, vem dessa Fonte Suprema inesgotável. Nada do que o mestre fala ou expressa pertence a ele. Tudo é Obra Divina em ação pelo direcionamento dessa Fonte maravilhosa. Por isso o mestre, o guru é silencioso, cauteloso com os que se aproximam dele. Ele se move em seu íntimo e suas vibrações só podem atingir aqueles que se lhe afinam em semelhanças espirituais. Essa palavra Guru significa “aquele que está grávido, ou cheio, de Deus”. Assim o Guru vai derramar naturalmente os significados que resplandecem a espiritualidade, não por alguma causa ou interesse, mas porque isto é puro prazer da alma, bem aventurança, ananda. Assim, entenda, todos nós somos mestres e gurus em potencial! O tamanho relativo de sermos isto é do quanto nos rendemos ou nos aproximamos amorosamente desta Fonte Suprema.
 
Neste mundo você não precisa ter medo de nada. Tem que ter, isto sim, coragem! Mas não a coragem do ego. Tem que ser corajoso para enfrentar todas as situações do mundo que te afastam da Verdade, do Divino. É contra isto que você tem que lutar, ir contra as coisas que te deixam estagnado numa vida sem significado superior e ir além dos seus medos indevidos que criam rotinas que aprisionam. Esse mundo é só uma passagem.
 
Não importa o que te aconteça, bom ou ruim, tudo vai acabar em algum momento. Você não pode fazer nada quanto a isto! Mas quando você não usa sua coragem para conquistar a espiritualidade, quando você se deixa levar por toda esta ilusão ridícula que estamos vivendo atualmente, então você se torna um covarde do mais alto nível, por mais que seu ego possa aparentar ser o mais corajoso no mundo. Só um servo do amor divino, um buscador sincero da realidade, é vitorioso neste mundo. Ele vive sob a proteção maior e a sua coragem nada mais é do que a certeza que agora já é a hora de ir embora, de sair, deste reino de ilusões.
 
As pessoas estão fugindo da solidão. Mas elas têm que compreender que a solidão, a interna, é uma necessidade primordial. Temos medo e receio de ficar sós, mas é nesta solidão interna e cultivada diariamente, nesta reclusão, neste silêncio, que vamos ter contato com a Verdade, ou com Deus.
 
No mundo moderno as pessoas perderam a capacidade de meditar, de se render, de se entregar ao seu íntimo, ao seu coração. As pessoas, robotizadas por um padrão social estabelecido, querem estar ocupadas mentalmente em milhões de coisas, não fazendo nada, apenas devaneando, vivendo em superficialidades. E assim perdem a essência, o tesouro, o propósito real da vida. Assim, dê um tempo para você mesmo.
 
Tente ficar só. Entre naquilo que está além da sua mente louca e agitada. É assim que você encontrará a Luz, que vai ouvir a Voz que fala o tempo todo aos seus ouvidos surdos.
 
Alemão – Luciano Du Valle

Este post foi lido 1962 vezes!

0 respostas

Deixe um comentário

Quer contribuir com seus comentários?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>