Happy girl in front of yacht boat is laughing with closed eyes.

Precisamos rir mais

Lembro de um curso que participei uma vez onde uma instrutora nos falava que há duas formas de se libertar de grandes (pesadas e tristes) bagagens emocionais da vida: através do choro catártico, ou do riso.

Na época achei aquilo surpreendente e para mim fez todo sentido. Quem nunca de repente se pegou rindo de uma situação terrível que passou na vida? Ou então numa conversa entre amigos, a história dramática ganhou tons de brincadeira e de repente aquela diversão fez a alma ficar limpa. Meu professor de Xamanismo na UNISUL, dentro do curso de Naturologia, costumava nos dizer que crise de cura é riso, não sofrimento.

Minha experiência de sensitiva no contato com o Astral não fica atrás. Em diversos momentos vi que os espíritos elevados conservam um traço de bom humor (bastante genial inclusive)! Trabalhando com pessoas, posso afirmar que as melhores experiências vêm sempre do prazer de sorrir ou do encantamento.

Nosso mundo funciona hoje de um modo muito estressante, até mesmo duro. Não faltam motivos para preocupações e ansiedades. Não é raro nos contaminarmos por toda essa atmosfera cinzenta e acabamos ficando irritados, nervosos, aborrecidos.

Uma bela “gaitada de galpão” (como chamamos aqui no Rio Grande do Sul aquela risada gostosa, alta) tem os seus poderes. Quando uma pessoa dessas, de bom humor e brincando, fica com sua energia toda cheia de um brilho faiscante, clara e boa… Isso tem propriedades muito interessantes à medida que é o oposto dos efeitos que o estresse provoca em nós – no nosso corpo físico por exemplo.

No filme já antigo Mudança de Hábito, percebemos o quanto o bom humor (e lógico, boa música aliada a ele) podem modificar as pessoas e as relações. Só para citar um exemplo. Recomendo a todos o livro do Deepak Chopra: “Por Que Deus Está Rindo?”).

Uma pessoa que consegue se manter alinhada à luz do seu espírito normalmente é bem-humorada (mesmo que suas piadas não sejam boas), inclusive a consideramos “espirituosa”. Ela consegue não se impressionar com as dificuldades (isto é, não permite que o mal deixe marcas, impressões nela), e com isso lida melhor com tudo. É o tipo de gente que todos querem ter por perto. Se a pessoa nasceu com o dom da comunicação ou da influência, quando está de boa com a vida, todos se beneficiam pois é como um sol.

Já a criatura que tudo é sério, dramático e ruim, a criatura sensacionalista, alarmista, está sempre doente e sempre cheia de histórias de acidentes e desastres pra contar. Sua vida normalmente vai mal pois sempre algo errado acontece. Ninguém gosta de estar perto – que o diga as plantas, coitadas, que secam rapidinho nessa influência. Infelizmente, até mesmo em meios espiritualistas vemos gente confundindo cara fechada com dedicação.

Se você sente que sua vida precisa de mais cor e brilho, talvez tudo o que você precisa seja justamente se dar oportunidades de se divertir mais, de lidar com as coisas de uma forma mais leve, de retomar aquelas atividades que te geram prazer. E especialmente parar pra rir um pouco, pois rir – como dito lá no início – por vezes é o que vai curar nossa alma, lavar nossa aura.

Sei que às vezes precisamos chorar um pouco, mas se mantivermos o foco nas partes sombrias e terríveis já vividas ou do dia a dia, das pessoas, colheremos apenas mais disso. A partir do momento em que decidimos buscar o bom e o belo, começamos a fazer do bom humor a nossa oração.

Madre Teresa de Calcutá disse “a paz começa com um sorriso”. Num mundo onde conseguimos encontrar espaço para isso, não sobra espaço para o mal e o tormento. Qual foi a última vez que você riu pra valer? Brincou? Fez algo muito divertido?

Boas risadas a todos, pois rir certamente – e hoje mais do que nunca – ainda é o melhor remédio!

Nova Rafael

nova-rafaelNova Rafael
É sensitiva, naturóloga, arteterapeuta, escritora e colaboradora do Movimento PENSO POSITIVO.
E-mail: rafael@novarafael.com

 

 

Este post foi lido 2117 vezes!

0 respostas

Deixe um comentário

Quer contribuir com seus comentários?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>