unidade

Unidade versus Dualidade

O tema eterno da história humana na Terra foi o do bem versus mal. Nós, geralmente, definimos o bom comportamento como aquele que é altruísta e solidário. O mal, seu oposto, é, então, definido como o comportamento que é egoísta, em detrimento dos outros.
 
Subjacente a estas definições opostas está um princípio comum, o da separação.
 
Muito antes do tempo em que a consciência original adotasse a forma humana, todas as formas de consciência sabiam que elas eram uma, que faziam parte de um todo interligado. Isto é chamado de consciência de unidade.
 
Originalmente, os seres humanos estavam conscientemente ligados à natureza e, também, aos outros, assim como os animais hoje.
 
Por exemplo, após o enorme tsunami que atingiu a Indonésia em Dezembro de 2004, um enorme número de seres humanos mortos, foi encontrado, mas não animais selvagens mortos. Todos os animais tinham conhecimento do desastre iminente e se dirigiram para terrenos mais elevados.
 
A mídia informou que vários elefantes normalmente dóceis arrancaram as suas estacas de fixação no chão e correram morro acima em direção à segurança, alardeando avisos para que outros os seguissem. Assim que o tsunami atingiu e começou a recuar, os elefantes retornaram e usaram o seu peso e força para resgatar as crianças das águas e as levaram para locais mais altos.
 
Em algum momento na história humana, nós decidimos explorar o conceito da separação. Queríamos, não apenas corpos fisicamente separados, mas uma verdadeira sensação de separação consciente de outras pessoas, do universo e do Divino.
 
Tivemos almas individuais, corpos espirituais e corpos físicos separados. Decidimos seguir por toda a jornada e nascermos sem ligação consciente com o outro. Em outras palavras, seríamos realmente entidades separadas e independentes, enquanto em corpos físicos.
 
Ainda que estivéssemos conectados com o todo, como todas as coisas estão, nós não estaríamos conscientes desta ligação. Agora ISTO, pensamos, seria uma experiência!
 
A razão fundamental para a individualidade é para que o Criador original possa se experienciar a partir de um número infinito de pontos de vista. O quanto mais realista seria se os pontos de vista fossem verdadeiramente independentes e criativos, com os seus próprios sensos de inteligência e livre arbítrio?
 
Desde aqueles dias, há muito esquecidos nas névoas do tempo, as pessoas nasceram em um mundo onde a separação é a sua realidade. É também um mundo onde o medo da carência pode se desenvolver facilmente.
 
Sob condições adversas, a vontade de sobreviver se torna um medo pela sobrevivência. A ideia de que há tantos recursos disponíveis para a própria sobrevivência cria a vontade de lutar por estes recursos. O medo de ser dominado em um ambiente potencialmente perigoso pode levar ao desejo de adquirir poder sobre os outros, a fim de se sentir mais seguro.
 
E assim, o lado negativo da separação da fonte começou a se desenvolver. Enquanto as pessoas se tornavam mais e mais separadas umas das outros pelas experiências difíceis e pelos impulsos egoístas de outras pessoas, a escuridão se intensificou. Em um mundo de solidão, onde a próxima pessoa não pode ser confiável, a quem recorrer?
 
Prevendo estes abismos da escuridão, o Criador enviou repetidamente indivíduos de grande luz para este mundo da humanidade, indivíduos que mostraram às pessoas a saída das trevas.
 
A cultura ocidental está mais familiarizada com os ensinamentos emocionalmente transformadores de Jesus. Outras culturas receberam também mestres que trouxeram grande luz, de formas mais adequadas a elas. Exemplos destes incluem Buda, Krishna, Confúcio e Lao Tse.
 
Hoje, o atual capítulo da experiência humana na Terra está chegando ao fim. Estes são os dias da Mudança. A frequência de toda a vida no planeta está sendo elevada, de modo que um novo capítulo da vida possa começar.
 
A velha guarda está se afastando. As novas crianças que nascem hoje ressoam com a frequência da nova consciência. O mundo está mudando e, hoje, estamos testemunhando o nascimento de uma Nova Realidade.
 
Mensagem de Owen Waters
 
 
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br

Este post foi lido 221 vezes!

0 respostas

Deixe um comentário

Quer contribuir com seus comentários?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>